Acontece na APUBH

Apubh agora integra Fórum Técnico Ciência, Pesquisa, Tecnologia e Inovação

Iniciativa da ALMG será realizada em parceria com instituições públicas de ensino e pesquisa em Minas Gerais

 

Na última segunda-feira, 30 de setembro, ocorreram o lançamento e a primeira reunião preparatória do Fórum Técnico Ciência, Pesquisa, Tecnologia e Inovação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

O APUBH foi convidado para essa iniciativa e foi representado por sua presidenta, professora Maria Stella Brandão Goulart.

De acordo com a ALMG, o objetivo do Fórum é de “debater a ciência, a pesquisa, a tecnologia e a inovação como propulsoras do desenvolvimento econômico e social do Estado e recolher subsídios junto à sociedade mineira para a elaboração de um Plano Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação”.

Além do APUBH, o evento reuniu representantes de instituições públicas e privadas de ensino e pesquisa e de entidades representativas dos trabalhadores em educação, tais como a coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino (Sindifes), Cristina Del Papa,  a reitora da UFMG, Sandra Regina Goulart Almeida, o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), Evaldo Vilela, o representante regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Luciano Mendes de Faria Filho, e  o subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo de Minas Gerais, Victor Lobato GarizoBecho.

A intenção, segundo a deputada Beatriz Cerqueira (PT), presidenta da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia e autora do requerimento para realização do Fórum Técnico, é de construir uma agenda propositiva envolvendo a sociedade em um processo democrático de participação e apresentar em 2020 na ALMG as diretrizes do Plano Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Cortes na Educação e na Ciência

A situação das universidades públicas e das fundações de pesquisa do Estado de Minas Gerais foi abordada durante o Fórum. Em sua fala, a presidenta do APUBH, Maria Stella Brandão Goulart chamou a atenção para os sucessivos cortes e ataques às universidades e o risco que representam para o futuro da UFMG e de Minas Gerais. Ela ressaltou ainda a situação dos professores que vivem uma situaçao de desalento, especialmente diante das perdas nas equipes e nos insumos e perspectivas de futuro .

O presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), Evaldo Vilela também criticou a falta de investimento e os cortes na pesquisa. E destacou ainda um dos seus efeitos mais imediatos que é a perda de jovens talentos e cientistas para outros estados ou países.

“Nós somos solução. Não somos um problema”, salientou a reitora da UFMG, Sandra Regina Goulart, ao falar sobre a necessidade de se prestar atenção aos cortes que vão afetar a pesquisa, a educação e a ciência em Minas Gerais. Ela ainda falou sobre os impactos da perda orçamentária da UFMG em 2019 (36%) e que obrigaram a instituição a adotar um conjunto de medidas de contenção e remanejamento de recursos para garantir o andamento de suas atividades.

Subcomissão

A fim de mapear os documentos e legislação já existentes sobre o tema foi constituída uma subcomissão formada por representantes da Fiocruz, Fapemig, Apubh e SBPC. Essa comissão trabalhará junto às equipes técnicas da ALMG e a intenção é de que esse mapeamento seja apresentado na próxima reunião do Fórum.  A próxima reunião do Fórum será realizada no dia 21 de outubro, segunda-feira, às 14 horas, na Sala de Reuniões 1 da GPI (Rua Rodrigues Caldas, 79, 4° andar, bairro Santo Agostinho).

 

Com informações da Agência ALMG