APUBH promove debate sobre cultura e resistência de negras e negros na conjuntura atual

Sindicato realizou a Mesa Redonda "Afrodescendentes em Foco", que integrou o Novembro Negro da UFMG

A resistência das negras e dos negros no Brasil na conjuntura sociopolítica atual, a ancestralidade africana presente na cultura brasileira e o papel da Universidade no combate ao racismo. Esses temas foram trazidos à tona na Mesa Redonda "Afrodescendentes em Foco", realizada pela APUBH, nesta segunda-feira (26/11), na Escola de Ciências da Informação - ECI/UFMG. A atividade integrou a programação do Novembro Negro da UFMG.

A mesa redonda contou com a presença de Diva Moreira, jornalista e cientista política, Marcos Cardoso, filósofo e representante do Movimento Negro Unificado (MNU) em Belo Horizonte, Makota Kizandembu, sacerdotisa e diretora da Diretoria de Políticas para a Igualdade Racial (DPIR), e Babilak Bah, músico percussionista.

Após as falas iniciais, os participantes conversaram com os presentes sobre os temas levantados. A mediação foi feita pelo professor Rubens Alves da Silva (ECI/UFMG), da Diretoria Setorial de Arte e Cultura da APUBH. "Essa discussão é muito importante nessa data, nesse momento", reforçou o professor.

Confira também a cobertura do evento em nossas redes sociais.

Diva Moreira: "O racismo é algo estrutural, que penetra em todos os espaços da vida pública e privada"

Em sua fala, a  jornalista e cientista política Diva Moreira chamou a atenção para as vidas perdidas de  afrodescendentes, vítimas do racismo estrutural e institucional, principalmente de moradores de aglomerados e territórios devastados pelo narcotráfico, sem políticas públicas e sociais. A cientista política analisou que, nas raízes do racismo no Brasil, o fato de que o próprio povo negro interiorizou o conceito de "superioridade" branca, disseminado na cultura, estética e publicidade majoritariamente brancas.

"O racismo é algo estrutural, que penetra em todos os espaços da vida pública e privada", observou Moreira. "As pesquisas são reveladoras, quaisquer indicadores que nós formos analisar na área da saúde, da educação, no saneamento básico etc., descobrimos que a população negra atendida pelo 'mesmo Estado' tem indicadores sociais diferenciados. Nós atribuímos isso ao racismo", frisou sobre o racismo institucional.

Makota Kizandembu: "Os nossos corpos sentem o racismo no cotidiano"

A sacerdotisa Makota Kizandembu analisou a situação caótica de racismo em que vivemos, apontando os casos de perseguição religiosa e de violência a afrodescendentes, principalmente nas periferias das grandes cidades. "Os nossos corpos sentem o racismo no cotidiano", analisou. Ela considera que os principais territórios de resistência da população negra são justamente esses espaços marginalizados, de periferias e de prática de religiões de matriz africana. Em seu trabalho à frente da Diretoria de Políticas para a Igualdade Racial (DPIR) da Prefeitura de Belo Horizonte, ela tem focado os esforços no enfrentamento ao racismo, através das políticas de segurança.

A sacerdotisa chamou a atenção para as pesquisas que vêm sendo desenvolvidas no meio acadêmico sobre a cultura das populações negras e outros temas ligados à herança africana em nosso país. Segundo ela, é papel da Universidade levar esse conhecimento para a sociedade, como forma de resgate da história e sabedoria do povo negro. "A Universidade tem o papel de ajudar a população brasileira a se reorganizar e a reconstruir a democracia", reforçou. "Esse é o papel da Universidade: resistir, resistir, resistir!".

Marcos Cardoso: "Temos que nos aquilombar"

O filósofo Marcos Cardoso propôs pensar a conjuntura através de uma perspectiva histórica, que leve em consideração o racismo presente na estrutura política e cultural do país. Cardoso apontou que o racismo estrutural não afeta apenas a sociedade, mas também a maneira como as pessoas percebem a própria identidade.

É necessário, segundo o filósofo, pensar a importância estratégica dos meios de comunicação, como ciência do comum, para impedir a manipulação, através da produção de conteúdos falsos. Ainda segundo ele, é preciso a construção de um projeto popular e humanista para o Brasil. Na busca de uma coletividade, que nos una e rompa os preconceitos, Cardoso utilizou como exemplo a organização das comunidades quilombolas. "Temos que nos aquilombar", definiu.

Babilak Bah: "A gente foi distanciado da poética dos tambores"

O músico percussionista Babilak Bah analisou que uma das formas de incutir o racismo no país foi levar o povo a negar a sua própria cultura.  "A gente foi distanciado da poética dos tambores", lamentou referindo-se à marginalização da herança africana na cultura brasileira. O samba no entanto, segundo o artista, vem mantendo o papel de resistência, retomando o seu lugar de instrumento de inclusão e de porta-voz dos excluídos.

Bah se define como um "artista do ruído", que reconhece na ancestralidade da música africana, presente na linguagem percussiva, a capacidade de tocar e transformar as pessoas. Ele utiliza o ritmo, a musicalidade e a riqueza dessa cultura em seu trabalho como arte educador no setor de saúde mental, no projeto Trem Tan Tan. E foi cantando e tocando uma música composta por uma aluna participante deste projeto que o artista encerrou a sua fala. De acordo ele, este foi um caso de quebra de preconceitos, assim como um exemplo da música na mobilização sociopolítica da população.

 

galeria de imagens

post anterior próximo post Voltar para listagem