Notícias

Bolsonaro sanciona socorro aos Estados com veto a reajuste de servidores

Fonte: Carta Capital.

Segundo o presidente, a solução de congelar salários é boa por ser ‘o remédio menos amargo’

Em coletiva, Bolsonaro observa Paulo Guedes. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, nesta quinta-feira 28,  o projeto de socorro a Estados que define repasse de R$ 60 bilhões e vetou o trecho que permitia reajuste salarial a funcionários públicos.

De acordo com o texto, a União entregará, na forma de auxílio financeiro, aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios, em quatro parcelas mensais e iguais, no exercício de 2020, o valor para ser aplicado em ações de enfrentamento ao novo coronavírus (covid-19).

Além do presidente, assinaram o documento os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Paulo Guedes (Economia), Jorge Oliveira (Secretaria Geral) e José Levi Mello do Amaral Júnior (Advocacia Geral da União).

Na última 5ª feira, Bolsonaro fez uma videoconferência com 27 governadores, na qual pediu apoio para o veto. Isso porque o Congresso poderia derrubar sua decisão. No encontro, o presidente afirmou que os congelamentos dos vencimentos devem ser até o dia 31 de dezembro de 2021.

“É de extrema importância que esse veto seja mantido por parte do Parlamento. E assim é que nós vamos construir a nossa política: nos entendendo cada vez mais. Deixo claro que as promoções e progressões vão continuar ocorrendo normalmente”, disse.

O texto, incluindo o reajuste dos servidores, foi aprovado no Senado no último dia 6, mas aguardava a sanção presidencial. Com os vetos de Bolsonaro, haverá uma economia a mais de R$ 87 bilhões com o não pagamento de aumentos por 18 meses.