Acontece na APUBH

Diretoria convoca professores e professoras para assembleia extraordinária no dia 23 de outubro, às 11h.

Estamos diante de um momento crítico em nosso país. Ameaças à democracia e ao reconhecimento dos direitos humanos tomam corpo e  apresentam como possibilidade a destruição da Pesquisa, do Ensino e da Extensão, enfim, da Educação Superior Pública como direito e parte essencial de um projeto nacional de desenvolvimento.

Para a sobrevivência da Educação Superior, avaliamos que é necessário barrar a redução das garantias fundamentais aprofundadas pela Emenda Constitucional nº 95 (EC95)  e qualquer candidatura que se proponha a manter a redução das garantias fundamentais, em especial, no que tange à educação – pública, gratuita, laica, democrática e de qualidade social – para todas e todos. 

Soma-se a isso o fomento ao discurso de ódio alimentado por declarações de desrespeito e intolerância à diversidade e de apologia à violência, potencializando o terror contra o pacto civilizatório. É necessário o reconhecimento da legitimidade de políticas afirmativas que elevem a condição cidadã dos brasileiros e brasileiras historicamente marginalizados e impedidos de exercer seu direito constitucional à educação, inclusive o de estarem conosco na Educação Superior. 

Nas últimas duas semanas,  entidades e sindicatos e associações docentes se posicionaram ou realizaram assembleias por todo o Brasil. A Andifes, representando os reitores, conclamou a academia à mobilização e formação de uma frente ampla de defesa da democracia. O Proifes-Federação lançou o manifesto: “Ditadura nunca mais” e várias associações da sua base se posicionaram em assembleias.  Andes orientou reuniões das suas bases e se posicionou contra “o projeto fascista e contra o voto branco e nulo”. Assembleias de grandes universidades como UFRJ, UNB e Unicamp aprovaram apoio explícito a uma das candidaturas presidenciais, que defende a democracia, a revogação da EC 95, os direitos, a Universidade pública e contra o fascismo.

Na UFMG, a reitoria publica uma nota no dia do Professor em defesa da Universidade pública, contra as notícias falsas que ameaçam a sua imagem, o estado de direito, a justiça social e estimulam práticas autoritárias. Em uma segunda nota, repudia veementemente um ato de agressão e intolerância praticado por meio de uma pichação realizada no CAD3 que, entre outras coisas, pede por uma Universidade “para poucos” e desenha uma suástica.

Neste contexto, a Diretoria da APUBH conclama as Professores e os Professores da sua base para uma assembleia histórica. Pauta única: A sobrevivência da Universidade pública. Terça-feira, 23 de outubro às 11 horas no auditório do CAD 2, campus Pampulha.

 

 

 Diretoria da APUBH